por Lindsey Abston Painter | 8 de novembro de 2021 |

Há algum tempo, eu estava conversando com um amigo que não cresceu em nenhuma igreja e atualmente não frequenta nenhuma igreja. Ele também é um homem. Eu estava tentando conversar com ele sobre como é ser uma garota crescendo dentro de uma cultura eclesiástica fundamentalista no que diz respeito a namoro, homens e sexo. E descobri, muito rapidamente, que a extensão e a profundidade do que eu estava descrevendo não seria fácil de explicar.

E quando pensei mais sobre isso, percebi que muitas pessoas religiosas também não estão cientes da extensão do que as meninas aprendem nos círculos cristãos e das ramificações desses ensinamentos. O que estou descrevendo tem um nome. É chamado de cultura de pureza.

Por isso esta cartilha sobre a cultura de pureza.

O que é cultura de pureza?

A cultura de pureza é um conjunto abrangente de crenças que se concentram fortemente na virgindade e na pureza espiritual / física / emocional de mulheres e meninas. É influenciado por, e conectado a, crenças sobre a superioridade e liderança dos homens. Incluindo a chefia masculina, as mulheres sendo incapazes de servir na mesma capacidade que os homens na igreja e os papéis tradicionais de gênero, como mulheres sendo feitas para servir em casa e os homens provendo por meio do trabalho.

Aqui estão algumas das coisas que aprendemos ou somos ensinados quando jovens.

  • Os homens têm desejos sexuais e uma luxúria que está fora de seu controle.
  • As mulheres querem amor e os homens querem sexo.
  • Sua virgindade é um presente para seu futuro marido. Se você a perder, não poderá recuperá-la. Perdê-la desvaloriza você como noiva e também como pessoa / mulher.
  • A modéstia é imperativa. Visto que a luxúria dos homens é incontrolável, é função da mulher evitar que os homens tropecem.
  • Os corpos das mulheres são perigosos e podem levar os homens ao pecado. Portanto, nós, mulheres, estaremos pecando se não nos cobrirmos para proteger os homens.
  • Mesmo os pensamentos sexuais são pecaminosos. Se não formos casadas, devemos fazer um esforço extra para evitar que até mesmo o menor pensamento sexual entre em nosso cérebro.
  • Se ensinarmos as crianças / adolescentes sobre sexo, eles vão querer fazer sexo.

Vamos decompô-los.

  • Os homens têm desejos sexuais e uma luxúria que está fora de seu controle

Homens do mundo, eu entendo como essa ideia os beneficia, porque vocês não serão responsabilizados por ações irresponsáveis ​​que possam tomar por causa de sua luxúria “incontrolável”. O primeiro exemplo é o ex-aluno da Stanford University, Brock Turner, que estuprou uma mulher inconsciente atrás de uma lixeira e cumpriu pena de poucos dias na prisão por seu crime.

Pobre homem. Ele simplesmente não conseguia se conter. Ele foi dominado pela luxúria. (Isso foi sarcasmo, caso você não tenha detectado.)

Mas, homens do mundo, não sei como vocês balanceiam o passe livre que conseguem por ser sexualmente irresponsáveis com a vergonha que devem sentir por ouvir que vocês são seres irracionais, completamente escravos de seus desejos. É voce um animal? Vil e estúpido? A ideia de que você está indefeso diante de seu impulso sexual não é tão insultante que seja impossível de suportar? Bem … aparentemente não.

  • As mulheres querem amor, os homens querem sexo.

Isso é muito prejudicial de muitas maneiras. Vamos apenas tirar isso do caminho aqui. As mulheres também querem sexo. A sexualidade das mulheres é diferente da sexualidade dos homens, mas a ideia de que as mulheres simplesmente não querem sexo não é somente confusa para homens e mulheres que tentam seguir esses ideais, mas é também simplesmente falsa.

Além disso, os homens querem amor. Eu poderia escrever um artigo inteiro sobre as maneiras pelas quais a cultura do patriarcado / pureza prejudica os homens. Uma delas é a ideia de que os homens não se importam com a intimidade emocional ou a conexão com sua parceira. Eles só querem sexo. Esse absurdo destrói pessoas, destrói casamentos, destrói vidas.

  • Sua virgindade é um presente para seu futuro marido. Se você a perder, não poderá recuperá-la. Perdê-la desvaloriza você como noiva e também como pessoa / mulher.

Alguns exemplos de coisas que ouvi chamarem uma mulher que perdeu a virgindade antes do casamento: um chiclete mascado. Um tecido usado. Fita adesiva que perdeu sua pegajosidade. Uma flor colhida e murcha.

Há tanta coisa errada nisso que nem sei por onde começar. Estamos falando de uma mulher humana aqui. Uma pessoa com valor. Você pode ficar surpreso ao saber que vincular todo o valor de uma garota à sua virgindade é prejudicial ao extremo. Deixe-me dar alguns motivos por que.

Nossos cérebros não viram uma chave quando dizemos as palavras “sim” na frente de um ministro. Não passamos de uma condição de criaturas totalmente assexuadas, protegendo nossos corpos e mentes de um único pensamento sexual perdido, para uma condição de  estarmos prontas para receber com entusiasmo nosso novo marido na cama. O número de mulheres que sentem culpa e vergonha de ter relações sexuais com os seus próprios maridos iria surpreendê-lo(a).

E mais isto: as mulheres que são estupradas não têm escolha quanto a perder a virgindade. E elas ainda valem somente o mesmo que um lenço de papel usado? Para ser jogado fora com o lixo?

Mulheres que decidiram perder a virgindade antes do casamento – e quanto a elas? Elas são seres humanos, feitos à imagem de Deus. Elas não são pedaços de chiclete mastigados. O que fez alguém pensar que seria aceitável considerá-las como lixo por causa de suas escolhas?

  • A modéstia é imperativa. Visto que a luxúria dos homens é incontrolável, é função da mulher evitar que os os homens tropecem.

Isso é semelhante à ideia de que os homens não podem se controlar, apenas dá um passo adiante. Como os homens são animais sem um pingo de autocontrole (frutos do espírito? Esqueça isso.), cabe às mulheres protegê-los de si mesmos. Devemos ser, em todos os momentos, cautelosas, modestas, virtuosas e cheias de moderação.

Essa ideia se espalha pela cultura popular em geral. Quando uma mulher é agredida ou estuprada, muitas vezes a primeira coisa que as pessoas querem saber é como ela estava vestida, ou o que estava fazendo, ou com quantos homens ela já fez sexo. Porque a ideia é que, se um homem fez sexo com ela (ou a estuprou), não foi culpa dele. Ele estava fora de controle. Foi culpa dela não detê-lo nem com medidas preventivas (modéstia e comportamento puro) nem por contê-lo quando ele a atacou.

Eu realmente preciso apontar o quão insano isso é – isso sem mencionar que é antibíblico? Que, de alguma forma, é responsabilidade das mulheres impedir os homens de pecar? Lembra quando um homem perguntou a Jesus o que deveria acontecer se ele cobiçasse, e Jesus disse que a mulher deveria ser mais modesta para protegê-lo?

Não? Oh, isso mesmo. Jesus disse para o homem arrancar o próprio olho. Cara. Assuma a responsabilidade por seus próprios pecados.

  • Os corpos das mulheres são perigosos e podem levar os homens ao pecado. Portanto, nós, mulheres, estaremos pecando se não nos cobrirmos para proteger os homens.
  • Mesmo os pensamentos sexuais são pecaminosos. Se não formos casadas, devemos fazer um esforço extra para evitar que até mesmo o menor pensamento sexual entre em nosso cérebro.

Vou comentar sobre esses dois pontos juntos, uma vez que eles são intimamente relacionados. Não posso superestimar quanta vergonha as mulheres e meninas são ensinadas a sentir por nossos corpos. Combinado com a falta de educação sexual, muitas vezes chegamos à idade adulta sem sermos capazes de nomear corretamente nossas partes básicas do corpo. Muitas mulheres (e homens!) criadas sob a cultura de pureza não entendem as funções reprodutivas básicas. Eu tinha provavelmente 30 anos antes de poder dizer a palavra “corpo” confortavelmente sem me encolher.

Na cultura adventista, também somos ensinados que dançar é ruim. Estamos tão desconectados de nossos corpos que não aprendemos a ser pessoas inteiras. Não aprendemos a ouvir nosso corpo quando ele está tentando se comunicar conosco. Não sabemos como nos comunicar usando nossos corpos. E definitivamente não sabemos como ter uma sexualidade saudável com nosso cônjuge.

  • Se ensinarmos as crianças / adolescentes sobre sexo, eles vão querer fazer sexo.

Este sempre me faz rir. Os adolescentes vão querer fazer sexo, quer você os ensine ou não. A maioria deles vai, de fato, fazer sexo, quer você os ensine ou não. A única diferença é que os adolescentes instruídos sabem como fazer escolhas mais sábias em relação ao sexo, inclusive protegendo-se da gravidez e de doenças. E uma boa educação sexual também ajudará os adolescentes a reconhecerem comportamentos sexuais abusivos e se protegerem deles também. Há vários estudos que mostram que a quantidade de comportamento sexual entre jovens cristãos e não-cristãos é quase a mesma, mas os jovens cristãos têm uma incidência muito maior de gravidez, doenças e comportamentos sexuais prejudiciais. A educação sexual abrangente é mais do que lógica aqui.

Em suma, a cultura de pureza está causando mais mal do que bem tanto para mulheres como para homens, mas especialmente para as mulheres dentro da igreja. Engraçado como ouvir durante toda a vida que seu valor está diretamente ligado à sua virgindade não é um grande estímulo para a autoestima. Não apenas isso, mas a falta geral de educação sobre sexo deixa as moças jovens vulneráveis ​​a abusos e maus-tratos, e a rapazes que aprendem sobre sexo do pior lugar possível, a pornografia.

(Crédito para Carissa Nicole Winn, cujo tópico viral no Twitter sobre a cultura de pureza influenciou e inspirou esta peça.)


Lindsey Abston Painter é uma treinadora de saúde mental que mora no norte da Califórnia. Ela é apaixonada por feminismo, justiça social e ficção científica. Ela é uma mãe orgulhosa e tem muitos gatos e um cachorro engraçado. Este artigo foi publicado originalmente no site da AT em 2018.

Para comentar, clique / toque aqui.