por Loren Seibold  |  12 January 2018  |  Translated from English by George Tichy  

“Sofremos em toda a história, mas os paranóicos sofrem em dobro, uma vez que eles são afligidos não apenas pelo mundo real, com o resto de nós outros, mas também por suas fantasias”.
~Richard Hofstadter, “The Paranoid Style in American Politics”  (O Estilo Paranoico na Politica Americana).


Não faz muito tempo ressurgiu um rumor que, ao longo dos anos, me fez rir  por sua grande ridicularidade: um comentarista no Facebook decidiu me expor novamente como sendo um Jesuíta infiltrado na Igreja Adventista do Sétimo Dia. E não sou somente eu: eu sou apenas um pequeno elemento, parte de uma grande cambada de espiões Jesuítas que fizeram seu caminho infiltrando-se para dentro da liderança da igreja, indo até os escritórios mais altos em Silver Spring.

As histórias de minhas associações nefastas surgiram pela primeira vez quando escrevi uma matéria chamada “Letting Roman Catholics Off the Hook”  (Retirando a Responsabilidade da Igreja Católica), publicada na revista Adventist Today no Inverno de 2010. Na parte em que discutí que, na medida em que passaram mais de cem anos desde Ellen White pela primeira vez identificou Católicos Romanos como sendo os inimigos no fim do tempos, e que muitos outros inimigos (comunismo, fascismo, islamismo radical, para citar apenas alguns) causaram muito mais dano aos cristãos na época do que os Católicos Romanos, nós poderíamos considerar aplicar os princípios que definem a besta de Apocalipse 13 – um poder que usurpa a liberdade religiosa através da perseguição – para todos os poderes tirânicos, em vez de se concentrar apenas no papado. Talvez, sugeri, isso nos levaria a uma postura profética contra todos os tiranos, ao invés de gastar nossa energia na microanálise de apenas um inimigo possível. Meu interesse não era abraçar o catolicismo romano, ou afirmar sua doutrina, ou negar os males nessa enorme organização (como existe em todas as organizações), mas refocalizar a atenção dos adventistas  numa verdade presente mais ampla.

Muitos entenderam o que eu estava tentando transmitir. Mas alguns viram algo mais sinistro: uma trama jesuíta.

Oh, aqueles jesuítas!

Há uma longa história de demonizar os jesuítas, começando séculos antes do surgimento dos Adventistas do Sétimo Dia. A imputação de que eles são manipuladores tem uma base de fato: eles eram uma ordem composta de estudiosos ricos, inteligentes e sofisticado, que durantes  sua história de cinco séculos moviam-se  entre os poderosos como sendo agentes da parte do Papa. Mas, juntamente com a maioria das ordens religiosas católicas, a ordem está debatendo-se com realidade de que quase duas vezes  mais pessoas estão morrendo ou saindo do que entrando, e uma idade média de aproximadamente 60 anos.

As acusações levantadas contra os jesuítas ocasionalmente foram curiosamente inventivas. Tomemos, por exemplo, o juramento jesuíta, que nos é dito, é autêntico porque já entrou no registro do Congresso dos EUA (2):   

“Prometo e declaro que vou, quando a oportunidade se apresentar, fazer uma guerra implacável, secreta e abertamente, contra todos os hereges, protestantes e maçons, como estou direcionado para fazer, e eliminá-los da face de toda a Terra ; e que não pouparei idade, sexo nem condição, e que eu vou enforcar, queimar, destruir, ferver, esfolar, estrangular e enterrar vivos esses infames hereges; rasgar os estômagos e os ventres das suas mulheres e esmagar a cabeça de seus bebês contra as paredes para aniquilar sua raça execrável … “

Continua no mesmo tom de ataque sádico por vários parágrafos mais. (1)

Esta obra de ficção remonta ao século 16, para os tempos de um falsificador anti-católico chamado Robert Ware. Na verdade, ela foi citado durante uma eleição dos deputados dos EUA no início do século XX, na qual um dos candidatos era católico romano. (Naquele tempo se chamava Juramento dos Cavaleiros de Colombo.) Foi repudiado por ambos os partidos políticos, e entrou no registro do Congresso apenas para identificá-lo como falso. No entanto, ainda é citado, geralmente pelas mesmas pessoas que acreditam que os Protocolos dos Sábios Educados de Sião são algo real.

No entanto, talvez a noção mais cômica seja a de que os jesuítas não têm nada melhor a fazer do que ficar em torno dos escritórios denominacionais dos Adventistas do Sétimo dia. A especulação sobre a infiltração dos jesuítas é como a ação da heroína no estado de coceira dos ouvidos: há algo de excitante no fato, muito misteriosos, e eles estão dispostos a acreditar nisso sem provas.      

Estive no meio dos escritórios denominacionais  durante a maior parte da minha carreira, e conheço muitas das pessoas que trabalham naqueles lugares. Posso dizer-lhes que há alguns segredos que mereceriam as atenções até mesmo dos Jesuitas mais intrometidos.

Quanto a eles nos destruirem de dentro de nossos próprios circulos isso dificilmente seria necessário: enquanto falarmos sobre os católico e não sobre Jesus, eles têm muito pouco a temer de nós.

Minhas conexões jesuítas

Depois que meu artigo foi publicado na revista  Adventist Today em 2010, houve uma explosão de  especulação jesuítica. Um casal que se identificou como Rich e Joyce Weber me escreveram isso: “A primeira guerra mundial, a segunda guerra mundial, Coreia, Vietnã e uma série de outras guerras e revoluções são todos obra  da Nova Ordem Papal Jesuita! O Iraque e o Afeganistão fazem parte da CRUZADA FINAL de Roma e, em breve, o Irã e outros países muçulmanos serão atacados; leia Daniel 11: 40-45. Roma não abandonou a tortura e, neste momento, milhares estão em prisões e células em mosteiros sendo torturados com a mais horrível crueldade satânica!

Rich e Joyce, Deus vos abençoe. Eu acho que voces realmente acreditam nisso, mas eu ficaria surpreso se voces pudessem mostrar ao menos uma pequena evidência real de que milhares estão sendo torturados pelas ordens religiosas católicas romanas ou que os jesuítas orquestraram todas as grandes guerras. Acho que voces me responderiam referindo-se a outras pessoas que escreveram essas coisas e que também não têm nenhuma prova. Sua crença nisso é baseada na fé. Prefiro depositar minha fé confiando que o poder de Deus cuidará de nós até a hora do fim.  Um escritor de conspiração Australiano escreveu em um comentário no Facebook: “Loren Seibold deve ser o jesuíta favorito do Papa!”

Minha esposa e minha família ficaram surpresos ao ouvir isso. Eles ficaram assombrados com o quão bem eu estive me escondendo, já que eles me conhecem como um adventista de quarta geração que trabalhou para a igreja por quase 40 anos sem qualquer ausência prolongada para ser doutrinado em uma fé que eu conheço muito pouco e cujas crenças distintivas eu tenho constantemente contradito em meus sermões. (Minha esposa pergunta por que, se eu sou o favorito do Santo Padre, tive que aguentar algumas das coisas que os pastores devem suportar quando eu poderia ter me aposentado em algumas das moradias rurais que o Vaticano tem em Toscana. Ela acha que, tendo suportado todas essas coisas ao meu lado, eles a deixariam acompanhar-me.)

Alguém chamado Brenden Connellyme escreveu perguntando: “Voce é um jesuíta secreto?”

Não poderia ser muito secreto se Brenden descobriu isso, embora eu tenha a vantagem da ironia de que um homem com um sobrenome irlandês me peça para expor minha vida papista secreta, já que a Irlanda é um país distintamente católico. Mas, para o registro, a resposta é não, não sou um jesuíta secreto nem de qualquer outro tipo.

Recebi um email de uma jovem intitulado “VOCE É UM JESUITA E NÃO UM ADVENTISTA – ARRANQUE A MÁSCARA”.

Oh, céus.

Anos atrás, quando estava estudando no seminário, alguém estava compartilhando os escritos de uma mulher que afirmava ser a sucessora de Ellen White. Entre suas mensagens (a maioria das quais eram lamentações adventistas típicas), ela escreveu que os líderes da Conferência Geral tinham sido envenenados durante refeições tipo “potluck” realizadas na igreja e depois foram rapidamente levados ao hospital para serem substituídas por jesuítas que foram operados cirurgicamente para parecerem iguais.

(Lembro especialmente desse detalhe sobre ser envenenado em refeições potluck nas igrejas, acho que já estive em refeições assim).

Mesmo assim, parece improvável. Por que iriam os jesuítas procurar tantos problemas? Assim como a maioria dos pecados que impedem as pessoas de ir ao céu serão o resultado de tentações comuns em vez de manifestações demoníacas espetaculares, assim também Satanás pode fazer cair nossa denominação sem criar todo o problema de ter alguns sacerdotes usando permanentemente a face do então presidente da Conferência Geral, Neil Wilson.

Eu não sei como eu poderia convencer essa jovem sem ter que deixá-la examinar meu rosto por si mesma. No entanto, apresento essa evidência contra isso: se tivesse que usar o rosto de outra pessoa, eu teria escolhido alguém mais atraente.

Mostre provas ou cale-se

Durante décadas,  acusações deste tipo tem sido circuladas na igreja, não só por os nossos inimigos, mas mesmo por próprios adventistas. Completos “Ministérios” têm sido construídos sobre eles. E, surpreendentemente, embora não tenha sido apresentada sequer uma prova a seu favor, não parece haver cessação, pois são tão populares como sempre.

Portanto, apresento aqui um desafio para alguns de voces, queridos irmãos e irmãs nesta denominação. Durante anos eu os ouvi falar sobre jesuítas infiltrados na Igreja Adventista do Sétimo dia. Tudo o que lhes peço é apresentar um único caso verificável e real. Apenas um. Sendo que voces constantemente repetem essa acusação, voces certamente devem ter evidências sobre pelo menos um líder contemporâneo da igreja que voces podem expor publicamente e, dessa forma, fornecer provas irrefutáveis de que alguém em uma posição elevada em nossa denominação foi colocado lá pela ordem dos jesuítas. e trabalha em favor do Vaticano.

Não me refiro a pessoas com cujas decisões diretivas ou cujas interpretações da doutrina adventista voce não concorda, então você coloca essa acusação como um macaco com um punhado de esterco. Não podemos aceitar como evidência o livro de historinhas de Jack Chick sobre o “Padre” Alberto Rivera, que foi meticulosamente refutado. Tampouco será suficiente citar Colin Standish que colocou essas especulações no papel, nem o “cientista de renome mundial” Walter Veith. Eles também não têm prova. Também não “Ouvi dizer que isso aconteceu com um amigo de um sobrinho de um segundo primo do avô de um individuo com quem costumava trabalhar cujo nome eu não lembro”. Ou “algo que aconteceu em 1957”.

Mostre evidencias ou cale-se. Apresente evidencias atuais e claras aos nossos líderes eclesiásticos. Se voce tiver provas, não somente vou publicá-las na revista Adventist Today, mas eu pessoalmente defenderei seu caso diante dos meus amigos em posições denominacionais até chegar à Conferência Geral.

E se você não pode oferecer essas evidencias, então siga o conselho de Exodo 23: 1 “Voce não vai admitir rumores falsos”. Essas acusações absurdas não estão fortalecendo nosso trabalho, mas ao invés fazem da Igreja Adventista do Sétimo dia um objeto de ridicularização. 

E tampouco te farão parecer muito inteligente ou esperto.


(1) Richard Hofstadter escreveu: “Muitas vezes, as fantasias dos verdadeiros crentes revelam fortes pontos de venda sadomasoquistas, vividamente expressados …” “O estilo paranóico na política americana”, Harper’s Magazine, novembro de 1964, pp. 77-86.

(2) H.R. Rep. No. 62-1523 (1913), reimprimido  no Registro do Congresso, 15 de fevereiro de 1913, pp. 3215-3220


Loren Seibold é pastor e trabalha como editor chefe da revista Adventist Today

Para comentar, clique aqui.